Gestão

Rotomoldagem produz peças de grande porte com pouco investimento em ferramental

Amplamente utilizada pelo setor industrial, a rotomoldagem, também conhecida como fundição rotacional e moldagem rotacional, é um processo de transformação plástica para a produção de peças de grande porte, como caixas d’ água e reservatórios, por exemplo.

O método tem evoluído nos últimos anos e já permite, inclusive, a produção de itens de alto nível de complexidade com um custo menor em relação a outras técnicas, como injeção, extrusão e sopro, já que requer pouco investimento em ferramental e equipamentos.

Com a rotomoldagem, é possível a fabricação de peças de diferentes materiais, como náilon, PVC, polietileno, policarbonato (termoplásticos), além de alguns termofixos (borracha vulcanizada e alguns tipos de resina).

Funcionamento do processo de rotomoldagem

O processo de rotomoldagem ocorre em quatro etapas. Inicialmente, o material termoplástico é inserido na cavidade do molde, em forma de pó. É importante que neste momento ele seja colocado de modo suficiente para que, ao final do procedimento, o produto fique com a espessura desejada.

Depois de a matéria-prima ser inserida, passamos à segunda fase, que é o fechamento e a colocação do molde em um forno, etapa mais conhecida como aquecimento. Neste momento, o molde é girado vertical e horizontalmente.

Com o molde ainda em movimento rotacional, inicia-se a terceira parte do processo: o resfriamento. O molde, então, é conduzido até uma zona resfriada para que o material, já distribuído de modo uniforme, adquira a forma final da peça.

Em seguida, partimos para a última etapa que é a da desmontagem. Nesta fase, em uma área especial, a peça pronta é retirada cuidadosamente do molde para que todo o trabalho seja concluído com sucesso.

Cabe ressaltar que, ao contrário de outros métodos, a rotomoldagem não exige altas pressões de moldagem e várias partes de uma mesma peça podem ser produzidas em uma só máquina, o que a torna mais barata.

Vantagens e desvantagens da rotomoldagem

Assim como qualquer procedimento industrial, a rotomoldagem tem suas vantagens, mas também alguns desafios. “Entre os pontos positivos, destacam-se o fato de ela proporcionar que se façam projetos mais baratos e peças mais leves”, destaca Edson Ferreira, da equipe de produção da Rotomix Brasil.

Além disso, podemos citar o fato de a técnica garantir maior uniformidade às superfícies das peças, além de gerar tensões residuais menores e possibilitar a fabricação de produtos com design mais complexo, melhor acabamento e maior variedade de cores e texturas.

Já em relação às desvantagens, embora exija um baixo investimento, a produção realizada por meio da rotomoldagem é mais demorada se a compararmos com outros processos. Isso se deve, especialmente, ao fato de que tanto a etapa de resfriamento quanto a de aquecimento são fases de longa duração.

Além disso, corre-se o risco da degradação térmica pelo excesso de exposição do material a altas temperaturas, por isso, é preciso muita atenção durante todo o processo de fabricação da peça.

Outra desvantagem encontrada na rotomoldagem é a menor precisão dimensional, que inviabiliza a sua aplicação em peças com grandes volumes de produção.

Quer saber mais sobre os processos de rotomoldagem e outros assuntos importantes para a indústria do plástico? Siga acompanhando o nosso canal de conteúdo e até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *