• Mundo do Plástico is part of the Informa Markets Division of Informa PLC

    This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Oportunidades

Conheça 3 tipos de tratamento de superfícies em moldes

Quem trabalha com moldes de injeção plástica sabe: o tratamento de superfícies de moldes é indispensável. Há no mercado uma série de tratamentos superficiais, cada um indicado para uma aplicação ou material específico.

Ou seja: é preciso conhecer as soluções disponíveis para conseguir escolher. A seguir, conheça três tipos de tratamento de superfícies de moldes e descubra qual é o ideal para a sua necessidade!

Têmpera superficial

Esse tratamento eleva a dureza do material em até 10 milímetros de profundidade. Por isso, é indicado para materiais que sofram esforço e precisem também de tenacidade, como engrenagens. A operação alcança melhores resultados quando os fornos utilizados funcionam à vácuo, porque a ausência de ar garante algumas vantagens. Assim, esse é um processo é limpo e mais fácil de ser controlado dentro de tolerâncias menores de temperatura.

Além disso, outro detalhe desse tratamento é que o resfriamento pode ser feito por meio de gás nitrogênio injetado sob pressão nas peças aquecidas. Ele é feito mediante banhos de óleo ou banhos de sais fundidos, processos cada vez menos populares, por conta das agressões que podem causar ao meio ambiente.

Nitretação a plasma

Com a nitretação, pode-se conseguir uma elevada dureza superficial em camadas de 0,3mm, sem gerar alterações dimensionais e carepas. Dessa forma, pode ser aplicada em moldes já prontos e testados, elevando significativamente a resistência ao desgaste e ao riscamento.

Esse é um dos processos mais importantes no tratamento termoquímico superficial para materiais metálicos, com o intuito de aumentar o desempenho em serviços. Por isso, ele é usado quando se deseja manter o núcleo do material em uma condição de elevada tenacidade, aliada a uma superfície com dureza e maior resistência ao desgaste, à fadiga e à corrosão.

Entretanto, diferente de outras técnicas, essa permite um controle apurado das espécies precursoras do processo. Isso resulta em um produto de alta qualidade, com possibilidade de controle microestrutural da superfície nitretada de acordo com o tipo de material e da aplicação ferramental.

Cromo-duro

Nesse tipo de tratamento, uma camada entre 0,01 e 0,02mm é depositada sobre a ferramenta. Porém, os poluentes gerados e possíveis desplacamentos diminuem sua aplicação no mercado.

Saiba mais sobre isso:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *