Mundo do Plastico faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Manufatura aditiva: as previsões para a próxima década

os próximos 10 anos da manufatura.png
Que a pandemia impulsionou a tecnologia na manufatura no ano passado, é fato. Mas o que acontecerá nos próximos 10 anos?

A digitalização e a automação tem recebido muita atenção na indústria de manufatura aditiva no último ano. Essa popularidade se deve em parte à pandemia, já que a COVID-19 acelerou inesperadamente o progresso da digitalização, à medida que as fábricas trabalhavam para aumentar a produção de suprimentos essenciais e manter suas operações com equipes reduzidas.

Porém, 2020 foi apenas uma "espiada" no que vem por aí na implantação de tecnologia. Nos próximos 10 anos, novas e melhores tecnologias se tornarão cada vez mais comuns nas fábricas. “A forma de automação que virá nos próximos 10 anos será uma mudança de visão. Deixaremos de ver a robótica como automação para a entendermos como verdadeiros sistemas de aprendizagem colaborativa”, disse Matthew Putman, CEO e cofundador da Nanotronics, ao Design News . “Isso envolverá o aprimoramento da robótica por meio da inteligência artificial, e essa inteligência artificial será aprimorada por meio da colaboração com as pessoas”.

1. Espere ver mais robôs inteligentes, IoT, AR/VR e AI

Putman prevê que veremos o mercado de robôs produzir equipamentos cada vez mais inteligentes e conectados. “Haverá mais robótica, mas, mais importante: os robôs trabalharão de forma diferente e mais inteligente. Em vez de seguir estratégias e táticas humanas, a robótica seguirá táticas de inteligência artificial (IA)”, aponta.

Com o aumento da rede, os sistemas de segurança cibernética serão uma parte importante do sistema de automação. “Quando pensamos em IoT, geralmente pensamos no poder da Internet”, disse Putman. “No entanto, as colaborações também serão muito locais e, portanto, é importante gerenciar a segurança e a proteção de forma diferente. Portanto, quando temos pessoas trabalhando em uma instalação, mesmo que estejam longe umas das outras, elas estarão mais perto do produto do que antes”.

Além de robôs inteligentes e equipamentos conectados, também é provável que vejamos um uso extensivo de realidade aumentada (AR) e realidade virtual (VR). “O uso de realidade aumentada e realidade virtual se tornará muito mais importante”, disse Putman. “Vemos as desvantagens da videoconferência bidimensional, então pode ser difícil imaginar levá-la para o próximo nível de interatividade sem um aumento maior e a chance de facilitar mudanças na realidade por meio de gestos e movimentos.”

Embora já vejamos o treinamento de fábrica mudando para sistemas AR/VR, a IA também se tornará parte do processo. “Quando você está treinando IA, isso deve ser mais interativo do que é atualmente”, disse Putman. “Devemos usar interfaces de usuário mais envolventes e também ver como os robôs e a IA digital respondem ao nosso treinamento. Isso produzirá melhores resultados e também será mais agradável. Esse é um processo que vai envolver inteligência artificial e inteligência humana.”

2. A tecnologia estará disponível para indústrias menores

Nas últimas décadas, a tecnologia de automação avançada foi usada principalmente pelos maiores fabricantes. Com a redução dos custos da tecnologia, ela se tornará mais acessível aos fabricantes menores. “A tecnologia estará, de longe, mais disponível para pequenos fabricantes do que para fabricantes muito grandes”, disse Putman. “Devo dizer que as grandes empresas começarão a pensar mais como os pequenos fabricantes no que diz respeito à inovação e ao empreendedorismo.”

À medida que a tecnologia passa para as mãos de fabricantes menores, ela aumentará sua capacidade, competitividade e inovação. “Fábricas menores e mais distribuídas podem se mover rapidamente para inovar de maneiras que vimos nas empresas de software, mas raramente na manufatura”, disse Putman. “É uma oportunidade incrível para o empreendedorismo.”

3. Código aberto e baixo código simplificarão a implantação

Na computação, provavelmente veremos um uso maior de software de código aberto. “Eu imagino que uma plataforma para inteligência artificial e manufatura será de código aberto”, disse Putman. “Certamente há espaço para a existência de IP de empresa específica dentro dessa plataforma. É algo que uma comunidade estará construindo, mas empresas individuais e até mesmo indivíduos terão oportunidades que não tinham antes. ”

É provável que isso inclua uma proliferação de equipamentos que requerem baixo código em vez de programação original, de forma que os fabricantes não tenham que depender tanto de integradores e programadores. “Acho que veremos uma proliferação de baixo código. É assim que tudo acontece quando começa a ter aceitação em massa ”, disse Putman. “Estaremos interagindo muito mais com interfaces que atraem quem tem ideias, não apenas quem tem ideias e a capacidade de codificar. Isso não é apenas para democratização, o que eu acho muito emocionante, mas também para construir robustez."

4. Rompendo barreiras rumo ao 6G

Embora a conectividade em nuvem tenha se tornado comum com a tecnologia emergente, a natureza da fabricação requer uma resposta mais rápida do que é possível com sistemas baseados em nuvem. Daqui para frente, a computação de vanguarda provavelmente será mais prevalente em sistemas de manufatura. “Tenho uma tendência particular de querer levar o poder até o limite, tanto por motivos de desempenho quanto porque há uma preocupação crescente com os dados na nuvem e como eles estão sendo usados”, disse Putman.

Com todo o alarde sobre o 5G, os fabricantes estão realmente mais animados com o 6G que está por vir. A ideia é que o 6G provavelmente fará uma diferença maior para a automação do que o 5G. “Certamente, 6G faria uma enorme diferença na comunicação”, disse Putman. “No entanto, sinto que tornar até o 4G mais confiável é algo em que precisamos nos concentrar antes de nos concentrarmos na próxima tecnologia.”


Publicado originalmente em Plastics Today. Traduzido e adaptado por Mundo do Plástico. 

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar