Gestão

Conheça os processos mais aplicados na termoformagem

Como já dissemos em outras oportunidades por aqui, a termoformagem é o processo de aquecimento de uma placa termoplástica plana, anteriormente extrudada, com o objetivo de que ela amoleça sobre o molde.

Dada a sua função e o seu baixo custo, a termoformagem é um dos procedimentos de transformação de plástico mais utilizados na indústria. No entanto, existem formas diferentes de realizá-la. Você sabe quais são eles? A seguir, apresentaremos os três principais. Confira:

1. Vacuum Forming

O Vacuum Forming é conhecido como uma forma simplificada de termoformagem. Nesse processo, a folha de plástico é aquecida a uma temperatura em que possa ser moldada e esticada a vácuo (sucção), em um molde positivo (convexo) ou negativo (côncavo) de uma só face.

O procedimento agrega precisão técnica e baixo custo, quando o assunto é a confecção dos moldes e a moldagem das peças em si. Por isso, quando comparado aos demais métodos, leva vantagem na criação de protótipos e na produção imediata em pequena escala.

Apesar disso, o Vacuum Forming atende, também, demandas sofisticadas e de larga escala, como a produção de formas plásticas, por exemplo.

“Esse processo tem como principal material para criação de moldes o PET reciclado, por isso, o produto final apresenta um preço atrativo e mais competitivo no mercado”, afirma André Bordignon, proprietário e engenheiro da Brawel Máquinas.

Além disso, a técnica é “aplicada na fabricação de miniaturas de modelos arquitetônicos, na manufatura de caixas, capas e coberturas de dispositivos e na produção de carrocerias, bolhas, canopies, cockpits, fuselagens, entre outros.”

2. Vacuum Casting

Este é um método utilizado para protótipos de alta qualidade, ou baixos volumes de peças, formadas a partir de moldes de silicone baratos. De acordo com Helena Borges, engenheira em materiais pela UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e pós-graduada em Engenharia de Plásticos pela UniSociesc, oVacum Casting:

  • Tem baixo custo para moldes;
  • Permite que moldes sejam feitos em poucos dias;
  • Conta com muitos tipos de resinas de poliuretano para fundição, incluindo sobremoldagem;
  • Dá origem a cópias fundidas altamente precisas e com excelente textura superficial;
  • Moldes são duráveis para 20 ou mais cópias;
  • Perfeito para modelos de engenharia, amostras e protótipos rápidos

Conforme explica a especialista, “nesse processo, o molde de areia não contém água, portanto, os defeitos de fundição de metal relacionados à umidade são eliminados. Contudo, a fabricação de moldes por termoformagem a vácuo é relativamente lenta e não é adequada para a automação”, esclarece.

3. Press molding

É um método de moldagem no qual o material, geralmente pré-aquecido, é primeiramente colocado em uma cavidade de molde aquecida e aberta. O molde é, então, fechado com uma força superior, ou membro de encaixe, para que a pressão seja aplicada com o objetivo de forçar a matéria-prima a entrar em contato com todas as áreas do molde, enquanto o calor e a pressão são mantidos até que o material tenha sido curado. O processo emprega resinas termoendurecíveis em um estágio parcialmente curado, seja na forma de grânulos, massas semelhantes a massa ou pré-formas.

Trata-se, portanto, de um método de alto volume e alta pressão, adequado para moldar reforços de fibra de vidro complexos e de alta resistência. Não à toa, sua principal vantagem é a capacidade de moldar peças grandes e bastante complexas.

Além disso, é uma das opções de menor custo quando comparada com a moldagem por transferência e a moldagem por injeção, por exemplo. Também desperdiça relativamente pouco material, o que confere uma vantagem quando o trabalho é realizado com compostos caros.

O press molding foi desenvolvido para fabricar peças compostas para aplicações de substituição de metal e é tipicamente utilizado para o desenvolvimento de peças maiores, planas ou moderadamente curvas, sendo, inclusive, muito requisitado na fabricação de itens automotivos, como capôs, para-lamas, spoilers, além de peças menores e mais complexas.

Você já conhecia esses processos de termoformagem? Compartilhe a sua experiência no campo de comentários abaixo e até a próxima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *